14 de maio de 2009

Olhar Displicente


Olhar displicente
Não sabe, mas me contém
Joga com a minha fingida inocência
E nesse enlace o domino também
Em silêncio continuo aqui.
Ao meu lado és lançado
E fala num sorriso abandonado
Que não pode ir além

Olhar displicente, caminha no meu olhar
Amedrontado, foge
E, num passar de humor que desconheço
Volta fulminante e me envolve

Num ato contrário condeno o meu olhar
Saio um pouco de mim, só pra chamar a tua atenção
Pronta calma que cai em desvelo
Um desespero querendo se revelar
Brincando de jogo de esconde
Oculto, querendo te encontrar

Olhar displicente
Mais um dia se passa e torna viúvo o meu olhar
Acordo a realidade
Comove o meu coração
Reticente, me abandona
E sem querer me faz chorar

by Val Costa Pinho