19 de junho de 2009

Canção astuta


Canção
Eis o pedido

Leve-me para uma melodia dentro de mim que ainda não conheço
Escuto um violino a chorar
Leve-me daqui canção
São lágrimas afinadas, já as conheço
As vozes destes sinos me pesam a cabeça,
Não, por aqui eu não seguirei

Ali à frente, veja, são marcas de uma viagem que fiz por este lugar muito tempo atrás
Canção, leve-me para mais além do que vejo, além do que sinto
Faça a sua melhor composição correr em minhas veias
Seja meu condutor, minha energia,
Se resistir aos pesadelos dos sons estremecidos que estão dentro de mim, entorpeça a minha alma, mas não me deixe desistir

Leve-me para mais longe, eu sei, estou vendo
Estes acordes me param preciso de velocidade, dispare mil sons, eu exijo
Estou tão perto de algum lugar
Estou sangrando diante destes ruídos,
As harpas rangem e eu só quero continuar

Tem alguém à frente me observando,
Escuto o perigo,
São maldições sendo lançadas
Não querem me abandonar aos braços da paz
E eu continuo as perturbando com a minha fé

Um brilho dentro de mim extasia, envolve
E querem me privar de conhecer a minha melhor melodia?

Aqueles gigantes do lado de fora acham que sabem o que procuro
Canção, tape-nos os ouvidos
Não os deixe entrar por esse caminho
E não precisa colher os seus ‘’Adeus’’

Esses gritos, eu já passei por aqui, não é esse o caminho
Essas lamentações são iguais as de ontem, estão me iludindo
Deixe-as passar
Ah! Angústia,fique longe agora, não posso lhe dar atenção
Canção retire-a desse piano, pois este me seduz e eu não quero parar por aqui

Nada é tão claro assim
Estas palavras não estão sendo ditas do jeito que você acha que estão
São apenas conjugações confusas

Solidão
Por que ainda me observa, o que você quer?
Não posso lhe dar o que não existe! Você sequer está me vendo.
Deixe-me em minha viagem
Deixe-me...

Vejo os tambores retumbarem em recepção à minha chegada
E esses estrondos?!
Por que ainda não consigo ficar em paz?
Esse barulho começa a me entontecer

Canção, agora que estou perto da realidade de mim mesma, percebo que deixamos pistas demais pelo caminho
Conduza-me de volta, pois eu deixei todos para trás sem entendê-los

Agora eu sei por que estavam tão próximos de mim...

by Val Costa Pinho