18 de junho de 2009

O sonho de uma flor...

Corre bem-aventurada
Desejando voar
Anseia falar de amor
Anseia o amor encontrar
Canta em ritmo afinado
Uma melodia sem rimas
Não se importando com versos originais

Fina Flor despida, vestida de seiva
Vem correndo feliz
Deixa-se livre ao vento
Parece voar plena e confiante

Sozinha, viaja em direção à eternidade, um jardim de ‘’flores humanas’’
Dissemina-se aos solos do ‘’além-mundo’’
À espera de quem a contenha
Fecha os olhos e aperta-os bem forte
Ao abri-los vê brotar outras flores em sua frente
Crê-se protegida
Fazendo parte dessa melodia sem fim
A sensação do real acerta-se numa canção maior

Encontra-se aos olhos do presente amor
Abraça-o sem temores
Fina flor,
Mistura-se às outras e é aceita sem condições
Já não corre
Finda a sua viagem
Pousa nesse lar benquisto

De repente, sem reserva
Dos céus ressoam uma música singular
As flores se calam
É chegada a hora de despertar
Fina flor teme deixar para trás o que semeou
Não desiste de ficar
Recolhe-se em seu mundo de escolhas e se esconde do amanhecer
Mas,
Este arrebata os seus sonhos e ilumina a porta do seu olhar
Chega falando baixinho: “Fina flor, é hora de acordar’’.

by Val Costa Pinho