20 de março de 2010

Uma Verdade: A Minha Mentira


Ao meu lado
Uma espera
Um nada prometido
Esperança que abre os braços
Traz lágrimas ao meu coração

Um chamado ao meu corpo
Arrasta a minha atenção
Lentamente, esqueço de mim
Uma noite a mais
Desejo a alva cor do dia

Vem
Parte com quem me invade
Este que me deseja em vão
Não pertence ao meu querer

Há muito mereço viver o que é meu
Pertencer à minha vontade
Já não posso perder as horas que findam os meus dias
Em uma verdade: a minha mentira
Não estou em sonhos onde o tempo se consome e pode nascer ao mesmo dia sem obrigação

Que a noite se renove com uma ausência ao amanhecer!

by Val Costa Pinho