16 de abril de 2012

Letras que se encontram


Não sou poeta
Não sei o que ler
É de dentro que solto
Letras que se encontram e se fazem
Num eterno saber e não-saber

Basta um tempo,
Uma fisgada
Lá onde se encosta a dor e o prazer
E elas, de mãos dadas
Se vão
Saindo assim
Nalgum lugar
Em que eu possa acordar

by Val Costa Pinho