27 de setembro de 2012

O Fim, Um Começo

Texto: Val Costa Pinho
Imagem: www.tumblr.com

16 de setembro de 2012

Esquecidos


Eles estão fatigados, 
Querem gritar – serem ouvidos em seus clamores 
Falar de dor, de faltas – de quem lhes falta 
No tocante do desespero, se excitam e zombam do próprio semblante 

Eles estão esquecidos, 
Empobrecidos e doídos 
E este “agudo acento” que os diferenciam dos, tidos por eles, loucos 
Está se desgastando na ferrugem que o tempo vai deixando em seus corpos, suas fechaduras, cadeados e lados – quer de dentro ou de fora 
O desgosto vai guardando as palavras, os “brados retumbantes” e as forças restantes 

Os dias, 
Carregados se vão 
Sem que uma alma acolhedora venha lhes sorrir ou apenas escutar, ajudar, escutar, cuidar...

by Val 

Breve Diálogo


O amor perguntou para a força: "De onde vens?".
"De você" - respondeu a força!


by Val.

Caminho


- E neste silêncio caminha a vida e vem trazendo caminhos vindos de vindas antevistas que ajuízo: 
Hei de caminhar... 
by Val

Sem cabimento




Já não cabe em mim espaço para “megalocoisificações”.
Falo dessas “sociomultialienais”,
Estou dando o primeiro passo,
Sei que há para a vaidade um grande espaço, mas o incômodo do mundo afora, hoje se transforma no meu maior cômodo, ocupando assim, as minhas lacunas, traços, laços... 
São novas necessidades; o novo, inundado de urgências existenciais que – no momento – é o meu “néctar”.
Hoje e adiante, ainda que possua várias associações com os muitos “ontens”, de alguma forma, está mudado, maturado.
Pode ser que estacione – à beira de um precipício – esse meu início, mas sendo meu, devo respeitá-lo, abraçá-lo e vivê-lo.
Sendo assim, para melhor prognóstico, devo ocupar – com as pequenas e prazerosas recompensas vivenciais do meu primeiro passo – a sufocante e viciosa “megalocoisa”, seu espaço e – sobretudo – as suas conexões. 
Avante!

by Val


1 de setembro de 2012

Sexo



É quando os meus desejos mais primitivos e institivos tomam de assalto o pudor e os seus comparsas, causando uma sensação de impunidade em suas ações, irrompendo cárceres e deixando que o meu corpo exercite o seu livre-arbítrio descobrindo como é gostoso ser livre por alguns instantes. 

by Val