18 de novembro de 2012

Vinho e cristais



Hoje eu não quero tocá-lo
Não sentirei o gosto de ti
Os teus pés, 

Por ora, em cristal
Ficarão onde estão

E os fios que levam ao côncavo de onde me espera
Essa coisa que inebria
Tocará apenas a ilusão a pontear
Em minha língua o teu doce sabor

Quer o desejo lúcido,
Apenas olhar-te
Em lugar de possuí-lo

E assim,
Quer este mesmo desejo,
Ver-te alcançar o valor do tempo

Se por destino perseverares
Ficarás mais espesso
- É certo asseverar

Todavia, seduzirás um paladar mais refinado

E tenhas fé

Os teus pés, ainda que seja doutro cristal,
Serão bem tratados e
O teu sabor mais bem sorvido

Assim me diz tal sã consciência que
Renuncia ao fadado gosto efêmero
Ao passo que se apressa a
Apurar o meu paladar

by Val Costa Pinho
Imagem: 
Francine Van Hove