6 de dezembro de 2012

Cântico humanalesco



O homem chora, 
A seca suplantou as suas lágrimas
A ordem do que fora posto em seus ideais 
Nas fraturas da terra dura se atirou
Cresce o homem das lágrimas
Parte com sua lástima
Sem ter dos ventos o acordo que se firmou 
Desde que o tempo não permitia mais o incesto
E a dor crescia em seu peito
E o amor e o desejo era perturbador
E essa busca pela pureza encontrou barreiras 
E elas por elas eram todas iguais 
Era espelho e mais
Mais e mais vidas herdeiras
Hospedeiras
Dos iguais
E os cárceres libertos
Dito e certo em atos desleais
Foram aumentando seus crimes
Suas injurias e angústias e mais
Tendo como a vida
O desacerto
E hoje, existe a certeza de quem são os animais?
As marcas do tempo anunciam que cavalos ainda possuem virtudes ...

by Val Costa Pinho