6 de janeiro de 2013

E tudo é vida...


Deixe eu me bandear para o canto que eu quiser
Deixe de canto esse teu canto exclusivo
Eu quero o meu ser, homem e mulher
Pluralizado, batizado, castigado e demasiado
Presto igualmente o seu lado contrário

Ao mundo desordenado
Fora o caos, desordem é até bacana
E eu sendo o que for,
Do mesmo modo sou

Deixe eu me apartar das tribos que já conheço
Deixe-me conhecer o infinito de erros que ainda tenho para acertar
Seja em que ser serei
Sereia, rei,
Sol, chuva, depressão e além

É tudo vida

Deixe eu me bandear pros lados onde vai dar
Esse ser desejante
De não se sabe o quê
Não se sabe onde
E mesmo assim
Por mais distante de si
Esse mim, só quer se deixar passar


Quem sabe deixar no canto
De quem quiser cantar
A sensação de que
Toda liberdade vale uma prisão
E toda prisão pode libertar...

E tudo é vida
É movimento para algum lugar
Que não se sabe onde vai chegar


Se assim for, assim sendo
Corajosamente
Seja!

by Val Costa Pinho