10 de fevereiro de 2013

Ao respeito...



Respeito ao que se funda no desrespeito?
Desrespeito ao que afunda o respeito?
Em suma, nos resta
Peitar tudo isso
Ser sóbrio
Ou sombrio
Seguir adiante...

As conveniências são devastadas quando
Entramos em contato com a manutenção da dignidade humana
- Essa vai para a fatia de empáticos que recheia a parte tragável do mundo

Ver alguém chorando por ter o seu brinquedo estilhaçado.
É diferente de ver o semelhante com o seu ego fragmentado, em pleno sofrimento, por ter em mãos, o que não apenas estilhaça, como também, fere, mata...
O brinquedo pode ser facilmente substituído
O ego, não.

Não creio que palavras que representam o bem, o ser benevolente
Podem dilacerar as individualidades
Fazer o sujeito entrar em labirintos de angústia e depressão

Em contrapartida, creio que existam homens malcriados, que em nome da preservação da espécie que eles se ordenaram mantenedores
Se perdem em sua própria ignorância
Pois o mundo é mundo desde o despertar de quaisquer níveis de inteligência (ou falta dela)

Vai além do entendimento humano
Esse humano, desumano, que enumera uma verdade única
Um pecado original
Se isentando dos seus atos grotescos em nome do que crêem que de direito lhe pertencem...

E o meu discurso não se esgota em palavras
Ele gira em torno dos contornos do mundo

O que aqui ao lado é injúria, do outro lado pode ser sagrado
Enquanto alguns ajoelham para rezar
Outros ajoelham para saciarem as orgias advindas
de vindas em que palavras não sustentavam
A folha que Deus permitiu cair

E se algum dia a folha caiu
Sigo sóbria, quando me permito e, por força divina sou permitida, a seguir os meus desejos “alcançáveis”.
Sigo sombria, quando ignoro e alimento pensamentos repugnantes àqueles que não se deixam cair como uma folha e aceitar o que foi deixado pela mão de Deus seguir o próprio curso da vida

Se é desrespeito, que o julgo seja perpetrado pelo respeito
Afora isso, não aceito o desrespeito sob forma alguma.

- Uma rosa hoje perdeu os seus espinhos e continuou a reluzir beleza, há de renascer novos espinhos. - Eis a palavra vestida em respeito.
- Como reluzir beleza sem ser completa? É uma rosa incompleta, perdeu a sua pureza. - Eis a palavra, crua, dolorosa vestida dos espinhos que ela mesma arrancou.

Eis o exemplo do que penso ser respeito e, em seguida, a ausência dele...
Será que todo respeito é seguido de um desrespeito?
Não sei, 
Todavia, imagino que  existam comportamentos mais sutis ao expressar aquilo que permito ou não em  em minha vida...
“Respeito, passe adiante!”


by Val Costa Pinho

5 de fevereiro de 2013

Brevidades



E no trânsito que engarrafa
Eu passageira
Tomo o meu talo de água
E observo essa união
Todos em prol de uma causa:
Fugir do inferno
Chamado caos
Esse breve trânsito da vida


by Val Costa Pinho

Imagem: Hengki Koentjoro

1 de fevereiro de 2013