18 de março de 2013

Uma conversa entre eus


─ “Eu te amo não é Bom Dia”!
─ Por que não?

─ Porque as pessoas são hipócritas, elas espalham “eu te amo” como migalhas aos pombos.
─ Hum! Se os pombos têm fome, o que tem de tão ruim em distribuir migalhas? Você sabia que logo depois de saciarem a fome, eles acertam um belo voo? Provavelmente satisfeitos e com algo preenchido dentro deles. Você sabia que algumas migalhas são distribuídas como retribuição ao que os pombos representam - paz, por exemplo - , ou por um simples gesto de bondade? Existem pessoas boas, sabia?

─ Paz e pessoas boas! Em que mundo você vive?
─ No mundo fora da TV, dos noticiários, folhetins de violência e sensacionalismo; mágoas, ressentimentos... Acredite, existem muito mais pessoas boas no mundo que ruins; Tendemos a qualificar como boas, àquelas as quais as qualidades são mais notáveis, porém, somos defeitos também...

─ E por causa disso “eu te amo” deve ser usado à toa, como um Bom Dia? Por que você mistura tudo? Só para não aceitar que estou falando uma verdade? “eu te amo, não é Bom Dia”!
─ Sinto muito por você achar que tomar um chocolate quente ao lado de uma boa companhia, seja algo à toa; eu não misturo, eu agrego; não creio falar verdades, apenas aceito todos os “eu te amo” possíveis e passíveis de fazer os meus dias, bons dias!

─ Sinto muito por você se contentar com migalhas.
─ Hum! Não sinta. Seria mais penoso para mim, viver com fome e superexigências quanto ao próximo. Talvez você tenha razão, talvez não, por enquanto lhe desejo um belo Bom Dia!
A propósito, eu te amo!

─ Besta!
─ Hahahahaa!

─ Amanhã, estará aí a pensar tudo ao contrário.
─ Você também!

by Val Costa Pinho