30 de abril de 2013

Pólos de um sorriso



O que diz um sorriso de uma pessoa?
Por que um sorriso incomoda a tantos?
Se ele está estampado em nossa cara, como segurarmos para satisfazer o desgosto dos outros?
O mal-estar de ver o outro feliz; as definições de provar o quanto de felicidade inexiste na vida; os pontos de vista que rodeiam a não existência das coisas boas, do amor, da paz e da felicidade, deve ser encarada como uma perda de si mesmo dentro de um contexto relacional saudável
É como não esperar a ordem natural de nossas aflições, e buscar afligir o próximo para assim sentir-se útil diante da própria deficiência
Às vezes eu sinto como se os outros quisessem nos ver lamentando a vida, nos queixando dos nossos normais desajustes vivenciais
E me questiono, tal atitude serve para satisfazer o quê, quem?
Se eu digo amar a vida, se eu sorrio na fotografia, não estou excluindo o sofrimento e a dor inerente à minha existência...
Estamos sobrevivendo, e sobre a vida podemos escolher viver o lado bom e sob a vida podemos colocar as boas vibrações, as coisas que cabe à vida suportar
Pois naturalmente, a dor virá
Em muitos momentos, a solidão será visceral 
E vai arder a saudade dos bons momentos
E só em existir saudade
Creio que tenha coisas absurdamente boas demais existindo
Se bem acredito em movimentos, bem sei que as ondas,
os ventos e o passeio dos pássaros levam pra algum lugar
Estão todos ao sabor da vida,
Repleta de caminhos e sorrisos que nunca são demais para enaltecer
a breve caminhada que termina antes do alvorecer final.
Então, o que me importa
É ser tomada pelo que é absurdamente gostoso de viver
Todo sorriso será bem-vindo
Até que o palco seja aberto às lágrimas do meu oceano
Eis a vida, bipolar

Aí questiono o pólo "negativo" dessa face instável
O que diz a tristeza de uma pessoa?
Por que muitos se incomodam?
Afora o sofrimento que impede o próximo de seguir a sua caminhada com autonomia
Não creio existir males que não possamos suportar na tristeza, nos momentos de introspecção e solidão...
Nem mesmo, males da dor e das lágrimas póstumas aos momentos inesperados, inacabados e decepcionantes em nossa estadia por aqui

Eu aprendi a entender que só posso conhecer o horizonte se eu enxergar além dele, pelo menos tentar alcançá-lo. Eu sei que não tocarei em sua linha horizontal, mas se eu acreditar que, simbolicamente, como a diz a música "além do horizonte existe um lugar", estarei alimentando outras perspectivas diante dele.
Mas o que isso tem a ver com sofrimento?
- Eu só poderei julgar que existe o oposto se enxergar além dele, mas para isso eu tenho que passar por ele, alcançá-lo em sua raiz e acreditar que realmente existe um lugar fora do sofrimento...

Em suma, do sorriso e da tristeza de uma pessoa, só ela poderá dizer...
O meu sorriso diz que a minha tristeza está à espreita, mas ele, por ser tão contagiante, faz a própria tristeza também sorrir. Ao contrário, apenas me recolho; meu horizonte, meu rio triste, na espera da boa maré, se achegar.

by Val  Costa Pinho