27 de fevereiro de 2014

Lembranças sem carnaval

Carpi lágrimas antes do carnaval
Querendo estar longe
Mente longe, sã, sóbria, silêncio...
Eu, o vento e eu

Em pensamentos, lembrei-me da roça
Do cheiro da terra e do mato
Do arame farpado
Dos pés de fruta carregados
Das flores de todas as cores

Lembrei-me da expectativa em achar os cavalos selados
Vê-los trotarem até o limite dos terrenos conhecidos
Vê-me cansar de ser livre e cair de satisfação
Tomar banho de chuva, chutar poça de lama
Gostar do brilho dos raios, do barulho do trovão

O vento tinha cheiro de liberdade

Cheiro...
Lembrei-me do cheiro de fumaça do fogão a lenha
Da comida quente, do banho frio

Lembrei-me
Das inúmeras cicatrizes em meu corpo
São saudosas, lembranças arteiras...
De pular cerca
Cair do balanço
Tropeçar no chão da minha roça

Nossa!
Eu já caí de rir
O riso me derrubou

Ah!
Eu escutei o assovio dos pássaros
O galo a cantar
Sapo coaxar
Corri de cobra, boi,
Caí, tentando colocar a roupa ao avesso,
Proteção pra caipora não se aproximar
Eu corri de caipora!
Eu vi o folclore sangrando nos meus joelhos

Ah!
Eu corri mata adentro,
Em quantos rios me banhei...
Quantas frutas do pé, arranquei...

Não existia medo em deitar na grama e dormir
Em esperar o anoitecer
E na lua cheia,
A mulher de branco ou o lobisomem surgir

É,
Definitivamente eu não estou em clima de carnaval
Meu clima está na vontade
De voltar desse inesquecível passado
E reaprender a respirar o hoje
Conviver com dores como aquelas que não doíam
"Lavou passou..."

É,
É carnaval, deixa passar
Vai passar...

By Val Costa Pinho
(em: só um resumo. Ah! meus 12 anos)

Imagem: LJLandscape