23 de fevereiro de 2014

Um grito de Cura

Meu grito é o grito de tudo que guardo
Quando habito em meu silencio
E não quero incomodar

Meu incomodo se acomoda em cômodos
Que é difícil arrumar
É como a sensação de mexer nas gavetas
E crer que a vida vai mudar

Meu silêncio é
Depósitos de traças
Comendo tudo
Voz e cordas que querem se afiar

Assim sei por saber do saber de alguém
Que meu grito
São as muitas vozes que oculto
E que se calada eu fico
A morte na dor
Pode vingar

E assim, eu não fico
É hora de crer-me mudar
Calar o meu silêncio
Ver o meu grito falar.

by Val Costa Pinho
Imagem:  Google Image.